Dia do amigo

São vários os artigos falando sobre a vida das pessoas com deficiência na escola, no trabalho, com a família e com a sociedade, mas são poucas vezes em que se fala na importância dos amigos, tanto os amigos com deficiência, quanto os que não tem deficiência alguma.

Os idealistas podem pregar que a vida de uma pessoa com deficiência pode ser perfeitamente normal, mas essa “normalidade” simplesmente não é verdadeira.

São muitos conflitos internos, perguntas, dificuldades e desilusões, todas somadas às dificuldades da deficiência e potencializadas por um sentimento de solidão e impotência que ultrapassa qualquer sentido de normalidade que você possa imaginar.

Durante esta fase, um amigo de verdade na vida de uma pessoa com deficiência tem um significado muito difícil de se expressar em palavras, pois eles, os amigos, são junto com a família, um apoio confortável, um resquício de normalidade.

Sempre tem aquela coisa que você não quer contar nem para sua mãe, nem para seu pai e muito menos para os seus irmãos, mas que você mal vê a hora de encontrar um amigo para botar o papo em dia.

Aos nossos amigos: Agradeço imensamente por tudo que vocês fizeram e que até hoje fazem por nós, pelos ouvidos emprestados e pelas palavras de apoio. Enfim, por nos aceitar como somos, sem levar em consideração às nossas pequenas grandes diferenças.

CPTM quer largar pessoas com deficiência na Linha de bloqueios da estação

Assim como no Metrô de São Paulo, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também começa a causar problemas para as pessoas com deficiência em várias Estações da rede ferroviária.

Segundo informações de usuários com deficiência e funcionários da Companhia, a estação Francisco Morato estaria em discussão para proibir os funcionários de acompanhar pessoas com deficiência até às saídas ou até os terminais de ônibus municipais, que são conectados à estação, deixando de atendê-los na linha de bloqueios, ou em termos populares: Largar as pessoas nas catracas da estação.

Os mesmos usuários afirmam que são atendidos no desembarque apenas em uma pequena porcentagem das viagens, sendo que tanto nesta como em outras estações da rede, para chegar à linha de bloqueios, normalmente às pessoas com deficiência precisam pedir ajuda à usuários que estão desembarcando.

Se esta informação for confirmada, os funcionários da CPTM na estação Francisco Morato, virtualmente deixariam de atender às pessoas com deficiência, que ficariam sob responsabilidade dos demais usuários.

Via Twitter, a CPTM apenas declarou que “Alguns usuários pedem para serem deixados na linha de bloqueios”, mas não comentou a informação de que a estação Francisco Morato estaria discutindo encerrar o atendimento dos usuários na linha de bloqueios.

Se a informação for verdadeira, a atitude representa um retrocesso, visto que a estação é improvisada e as adaptações de acessibilidade são ineficientes, em alguns casos, chegam a apresentar riscos para os usuários com alguns tipos de deficiência.

Às pessoas tem diferentes níveis de experiência e nem sempre estão acostumadas a circular pela estação, podendo estar só de visita ou se sentir mais seguros com apoio de um funcionário.

Em qualquer dos casos, é inadmissível que a gestão da estação tenha a prerrogativa de abandonar o usuário na linha de bloqueios.

Você já foi discriminado?

Uma das perguntas mais comuns em rodas de amigos ou mesmo quando alguém timidamente acaba querendo saber um pouco mais sobre uma pessoa com deficiência é a seguinte: “Você já se sentiu discriminado ou já sofreu algum tipo de preconceito? “.

A discriminação, na verdade é uma coisa bastante complicada de se identificar e de se combater. Primeiro por que ela consegue se disfarçar de ajuda e compaixão da mesma forma como se revela em forma de preconceito e descaso.

O mais comum, no entanto, é tratar o preconceito e o descaso como discriminação, enquanto as ajudas e a compaixão como gentileza, bondade ou termos equivalentes.

Discriminar é diferenciar algo ou alguém dos seus iguais, seja esta diferenciação positiva ou negativa.

Esta situação fica clara quando um professor não pode ocupar seu cargo em um concurso público, apenas por quê um médico despreparado resolve que a pessoa é incapaz de lecionar baseado em uma ciência exata chamada de achologia, só que não fica assim tão clara quando uma simpática senhora tenta desviar uma pessoa cega da escada fixa, apenas por que ela está fazendo a gentileza de mostrar ao pobrezinho a escada rolante.

A discriminação que ocorre dentro do ser humano é tão nociva e prejudica tanto quanto a discriminação exacerbada, normalmente ofensiva que estamos acostumados a combater, até por que não tem jeito de combater uma pessoa que acha que está te ajudando e pensa que aquilo é uma coisa boa para você.

Mas uma coisa é você ajudar alguém porque tem consciência de que ela tem dificuldades oriundas de sua deficiência, e uma outra coisa completamente diferente é ajudar uma pessoa por que o “coitado” não consegue fazer nada.

É este sentimento de proteção que deve ser combatido, é necessário refletir sobre como conscientizar às pessoas e finalmente passar de coitados a cidadãos, é preciso demonstrar para todos que na verdade somos todos iguais, mesmo tendo algumas pequenas diferenças.

Quem planta barreiras colhe prejuízos

A lei 8213/91 possibilitou que às pessoas com deficiência tenham acesso ao emprego, obrigando às empresas a contratar pessoas com deficiência e integrá-las ao mercado de trabalho formal.

Quando às pessoas com deficiência tiveram acesso ao emprego, antes mesmo de receber o primeiro salário, vieram os primeiros problemas. Os serviços não estavam preparados para recebê-los e as questões relacionadas com a deficiência ainda estavam sendo tratadas como uma questão de assistência social.

Esta postura não mudou muito durante estes 24 anos, grande parte das empresas não vê a pessoa que tem alguma limitação como um cliente ou funcionário com o mesmo potencial que qualquer outro, quando muito, ao atendê-lo, enxerga a possibilidade de se posicionar como uma empresa que se destaca por que investe em responsabilidade social, fazendo enorme propaganda destas ações “filantrópicas”, sem perceber este público de consumidores em potencial.

A “cegueira” corporativa na qual estão mergulhadas as empresas brasileiras é reflexo de séculos em que a pessoa com deficiência foi marginalizada, vivendo normalmente fora da sociedade, escondidas por suas famílias, invisíveis ao mundo pelos preconceitos e por falta de conhecimento sobre sua capacidade laboral e cognitiva.

Ainda hoje é bastante comum associar uma pessoa com deficiência a um pedinte, sem dar crédito às suas capacidades, antes discriminando-a pelo que ela “supostamente” não pode fazer, deixando-se levar por uma visão equivocada de que uma pessoa que tenha alguma limitação é imprópria para o trabalho, por isso deve ser assistido em algum programa social.

É possível que um comerciante que veja uma pessoa com cadeira de rodas passando em frente ao seu estabelecimento todos os dias sem nunca entrar, passe a acreditar que ele não se interessa por sua mercadoria sem perceber que na realidade ele não entra por que não há uma rampa de acesso e a calçada é muito alta.

Ninguém imagina que um cego que passa em frente a uma loja de calçados e nunca entra, simplesmente não sabe que ela existe, por isso prefere comprar em um lugar que conhece, com indicação de algum parente ou amigo.

Em qualquer dos casos, o empresário simplesmente acha que este público não se interessa por seu serviço quando na realidade é ele quem não se interessa por este público, já que não o respeita oferecendo-lhe meios para usufruir de seus produtos e serviços.

Quem falou que eu não consigo?

Algumas pessoas subestimam quem tem deficiência, achando que não somos capazes de fazer as mesmas coisas que elas.

Pessoas ao redor, colegas de trabalho, professores e familiares acreditam que por causa da deficiência não é possível realizar tarefas simples, o que dirá as mais complexas sem ao menos nos consultar, criando opiniões equivocadas que contribuem para o crescimento do pré-conceito.

Isso acontece diariamente com quem tem alguma deficiência, na maioria das vezes é difícil se defender, já que ninguém fala diretamente para a pessoa, simplesmente cria sua opinião e disfarça falando: “nossa vocês são um exemplo para nós” ou “nossa, não sei como você consegue andar sozinho”.

O pior é quando esse tipo de “conceito vem de um professor, em quem apoiamos nossos objetivos de aprendizagem e ele nos limita de aprender coisas novas, não nos desafia, nem nos consulta por causa da deficiência que parece ser um “oloforte” impedindo-o de ver a pessoa como um aluno, um aprendiz com capacidades iguais as de todos os outros.

Mesmo sem intenção a família ou o professor podem estar prejudicando a pessoa com deficiência, inpedindo-o de aprender e se desenvolver, por que tem medo de que eles se machuquem, errem, ou se frustrem.

No Transporte público de Santos, todos os acentos serão de uso preferencial!

Praticamente toda pessoa com deficiência que utiliza o transporte público já ouviu a seguinte frase: “Olha o seu lugar ali, vai lá que vão te dar um lugar”.
Os acentos reservados de uso preferencial são destinados às pessoas idosas, pessoas com crianças de colo, com deficiência ou mulheres grávidas e é um direito adquirido por lei, quando deveria ser um direito proveniente do bom-senso e da boa educação.
Em alguns lugares as pessoas acreditam que não devem ceder o acento quando não estão em um lugar reservado. Deixam que a pessoa idosa vá de pé em um ônibus lotado, ainda que ela esteja usando bengala ou andador.
Em santos, uma lei municipal publicada recentemente, diz que a partir do próximo dia 25 de novembro todos os acentos no transporte público serão reservados para uso preferencial.
É uma tentativa para diminuir o problema, fazendo por força de lei o que deveria ser feito pela força do hábito, corrigindo essa distorção e consequentemente diminuir as situações humilhantes que às pessoas com deficiência são obrigadas a passar todos os dias no transporte público.
Quando a pessoa com deficiência escuta a frase mencionada no início da postagem, fica a impressão de que ela não é um ser humano, por isso é indigna de se sentar próximo aos outros e precisa ficar em um lugar reservado, “preferencialmente” longe das demais pessoas.
Agora vamos esperar que o resto do Brasil siga o exemplo, quem sabe um dia tais leis não serão mais necessárias.

Com Informações do Via trólebus.

Além de tudo, sou mulher!

Nós Mulheres com deficiência somos vistas como “coitadinhas” ou “ceguinha”, “surdinha”, “alejadinha”, etc. Nos atribuem esses adjetivos no diminutivo e esquecem-se que também somos mulheres.

Quando você anda bem arrumada, toda maquiada, bem vestida e toda combinando, as pessoas te olham com espanto, com um olhar de confusão. Tem pessoas que falam “ai que bom que sua mãe te arruma”, .

Esta semana vivi um exemplo bem claro desse preconceito enrustido, estava em uma loja de roupas com minha sogra, eu passando a mão nos vestidos e minha sogra vendo as roupas para ela , achei um macacão e gostei, coloquei em frente ao corpo para ver se ficava bom e a vendedora perguntou “nossa você enxerga?” eu falei que não, ela ficou surpresa e custou à acreditar. Então perguntei quais eram as cores, as estampas, tamanhos, escolhi aquelas que eu queria e fiquei imaginando o que se passa na cabeça de alguém depois de uma descoberta tão chocante.

Tenho minhas limitações, é claro, mas acima de tudo sou mulher e tenho meus próprios gostos, uso coisas que me fazem sentir bem. Como toda mulher, gosto de pedir opinião do marido, das amigas e por que não da mãe? Só que a minha opinião é a mais importante, a minha deficiência não me impede de andar bem arrumada!

Você não se sente um ovo?

– Você não se sente um ovo? Perguntou uma pessoa ontem na faculdade enquanto me ajudava a descer as escadas para ir embora.

– Um ovo? Perguntei em um misto de curiosidade e surpreso com a pergunta para lá de inesperada.

– Sim, um ovo! Confirmou ele, explicando com a seguinte reflexão: – É que já faz algum tempo que observo como as pessoas ajudam vocês (Pessoas cegas), elas parecem que estão carregando ovos e cuidam de vocês de um jeito que até parece que tem medo que vocês quebrem.

A pergunta inesperada surpreende pela consciência de quem fez a reflexão. Leva a pensar que alguém já começou a ver erros na forma como a sociedade enxerga as pessoas com deficiência.

Estes são os primeiros passos para entender que somos capazes de muitas coisas, se estamos trabalhando, passeando ou tomando uma no bar é por quê queremos estar ali!

Por que ter dó de uma pessoa pela deficiência que ela tem? É importante encarar a deficiência como uma característica da pessoa, já que ninguém tem dó de uma pessoa de cabelos claros por que ela tem uma deficiência de pigmentação nos cabelos.

As pessoas tendem a ver alguém com deficiência como fraco, incapaz, e frequentemente subestimam sua capacidade intelectual, tratando como crianças pessoas que tem potencial para ensinar e frequentemente ensinam! Algumas destas pessoas são professores universitários renomados, mestres nesta ou naquela disciplina, cientistas fantásticos, mas aos olhos de alguns cidadãos, são só coitados.

Tem também o oposto, que acha alguém com deficiência um herói! A pessoa é fantástica, porque faz aquilo que todo mundo faz, já que uma pessoa com deficiência não deveria conseguir tomar seu banho, varrer sua casa ou lavar sua louça depois de comer, só por que “isto é uma tarefa extremamente difícil! “.

Mesmo supervalorizando tarefas simples há uma discriminação negativa da pessoa com deficiência, por que reafirma que não é possível que uma pessoa com deficiência consiga fazer algo minimamente produtivo.

Só teremos uma sociedade mais justa quando nossa igualdade não for medida pelas nossas diferenças.

Vamos preparar as crianças para a vida?

Atualmente, os pais estão criando os filhos na base do mimo, muitas vezes, por não conseguirem tempo suficiente para ficar com eles, agradando-os demais quando estão por perto, dando-lhes tudo o que pedem, deixando passar as birras e os momentos de mal criação.

Quando se trata de crianças com deficiência esse mimo é muito maior, numa mistura de super proteção e excesso de carinho, resultando em crianças que fazem birra por tudo e se frustram quando não conseguem algo.

Os mesmos pais que fazem tudo para que seus filhos não errem, se machuquem, se frustrem ou se aborreçam, fazendo deles o centro das atenções, podem estar criando adultos mal educados, que não aceitam as diferenças e as opiniões das outras pessoas.

Pais de pessoas com deficiência, normalmente confundem limitações com dependência, adotando uma postura superprotetora, que pode até afetar a pessoa intelectualmente.

As crianças com deficiência devem respeitar limites e regras como todas as outras, assim como devem (sempre que possível), passar pelas mesmas experiências, tanto boas, quanto ruins, para que se tornem adultos capazes de viver em sociedade.

Nada por nós, sem nós. pelo a mor de deus!

Nunca a frase “Nada por nós, sem nós”, fez tanto sentido para as pessoas com deficiência quanto nos tempos em que vivemos. Cada vez mais adquirimos direitos, deveres, oportunidades e um monte de contas para pagar, mas mesmo assim, ainda há quem queira decidir por nós.

São pessoas, que embora tenham uma enorme “Boa Intenção”, acham que sabem o que é melhor para a pessoa com deficiência, tentando “adivinhar” o que ela precisa, seus desejos, suas vontades, suas limitações e frequentemente oprimem suas capacidades, fazendo com que estas pessoas passem, de fato a depender dos achismos do outro.

Em vários casos, a limitação física real não é a mesma que o “bem-intencionado” acredita que a pessoa tem, supervalorizando a limitação do outro e ignorando as próprias, o que atrapalha o desenvolvimento social, educacional e psicológico da pessoa com deficiência, fazendo-as acreditar que são menos capazes do que realmente são, limitando-as de forma inconsciente a uma condição de eterna inferioridade psicológica e social, da qual normalmente a pessoa nem desconfia.

Dos poucos capazes de entender e se rebelar, muitos são alvo de críticas. E por não se enquadrar no panorama pacífico relatado nos parágrafos anteriores, são tomados como rebeldes, pessoas com deficiência revoltadas e que não são como o fulaninho, o beltraninho que são tão bonzinhos.

O Blog Inclunet vai mostrar, a partir de hoje que uma moeda tem dois lados, mas continua sendo uma só.