Você já foi discriminado?

Uma das perguntas mais comuns em rodas de amigos ou mesmo quando alguém timidamente acaba querendo saber um pouco mais sobre uma pessoa com deficiência é a seguinte: “Você já se sentiu discriminado ou já sofreu algum tipo de preconceito? “.

A discriminação, na verdade é uma coisa bastante complicada de se identificar e de se combater. Primeiro por que ela consegue se disfarçar de ajuda e compaixão da mesma forma como se revela em forma de preconceito e descaso.

O mais comum, no entanto, é tratar o preconceito e o descaso como discriminação, enquanto as ajudas e a compaixão como gentileza, bondade ou termos equivalentes.

Discriminar é diferenciar algo ou alguém dos seus iguais, seja esta diferenciação positiva ou negativa.

Esta situação fica clara quando um professor não pode ocupar seu cargo em um concurso público, apenas por quê um médico despreparado resolve que a pessoa é incapaz de lecionar baseado em uma ciência exata chamada de achologia, só que não fica assim tão clara quando uma simpática senhora tenta desviar uma pessoa cega da escada fixa, apenas por que ela está fazendo a gentileza de mostrar ao pobrezinho a escada rolante.

A discriminação que ocorre dentro do ser humano é tão nociva e prejudica tanto quanto a discriminação exacerbada, normalmente ofensiva que estamos acostumados a combater, até por que não tem jeito de combater uma pessoa que acha que está te ajudando e pensa que aquilo é uma coisa boa para você.

Mas uma coisa é você ajudar alguém porque tem consciência de que ela tem dificuldades oriundas de sua deficiência, e uma outra coisa completamente diferente é ajudar uma pessoa por que o “coitado” não consegue fazer nada.

É este sentimento de proteção que deve ser combatido, é necessário refletir sobre como conscientizar às pessoas e finalmente passar de coitados a cidadãos, é preciso demonstrar para todos que na verdade somos todos iguais, mesmo tendo algumas pequenas diferenças.

Campanha sobre o dia da pessoa com deficiência causa polêmica


Essa semana o Conselho Municipal da Pessoa com Deficiência de Curitiba, resolveu comemorar o dia internacional da pessoa com deficiência de uma forma para lá de diferente.

Se passando por alguém bastante revoltado com os direitos das pessoas com deficiência, o falso movimento pregava a revogação de supostos privilégios atribuídos às pessoas com deficiência, reivindicando a redução de vagas de estacionamento reservadas para pessoas com deficiência física, além de acabar com a lei de cotas trabalhistas para empresas e órgãos públicos.

A falsa campanha chocou às pessoas, primeiro pela falta de bom-senso, e segundo pela falta de respeito pela pessoa humana, desrespeitando inclusive a nova Lei Brasileira de Inclusão, que entra em vigor no próximo dia primeiro de janeiro.

É claro que choveram críticas no Facebook, através da página criada pelo falso movimento e a história foi parar na mídia, chamando a atenção de ainda mais pessoas para o assunto.

A página chegou a receber mais de 5000 curtidas em menos de 24 horas e uma quantidade vertiginosa de manifestações contrárias por minuto.

No dia seguinte o Conselho Municipal das Pessoas com Deficiência de Curitiba desmentiu o Falso movimento e se explicou no programa da Fátima Bernardes, da TV Globo.

Se a campanha foi boa ou ruim, não vamos analisar aqui neste momento, são muitas opiniões diferentes, o tema é bastante polêmico e as opiniões são divergentes.

Entretanto, o que se pode perceber de negativo através do movimento é a intolerância com a qual algumas pessoas com deficiência e profissionais da ária trataram o tema, visto que após a revelação, passaram a discutir entre si sobre os malefícios causados pelo conselho e se este tinha agido certo ou errado em vez de aproveitar a publicidade para debater o tema.

Por outro lado, usar a discriminação como forma de publicidade é algo muito arriscado, por que pessoas desinformadas poderiam aproveitar este momento para deflagrar ações de intolerância reais contra às pessoas com deficiência. Embora não seja expressivo, na petição montada pelo falso movimento, houveram alguns signatários, o que acende uma luz de alerta e mostra que devemos conscientizar as pessoas.

Quem planta barreiras colhe prejuízos

A lei 8213/91 possibilitou que às pessoas com deficiência tenham acesso ao emprego, obrigando às empresas a contratar pessoas com deficiência e integrá-las ao mercado de trabalho formal.

Quando às pessoas com deficiência tiveram acesso ao emprego, antes mesmo de receber o primeiro salário, vieram os primeiros problemas. Os serviços não estavam preparados para recebê-los e as questões relacionadas com a deficiência ainda estavam sendo tratadas como uma questão de assistência social.

Esta postura não mudou muito durante estes 24 anos, grande parte das empresas não vê a pessoa que tem alguma limitação como um cliente ou funcionário com o mesmo potencial que qualquer outro, quando muito, ao atendê-lo, enxerga a possibilidade de se posicionar como uma empresa que se destaca por que investe em responsabilidade social, fazendo enorme propaganda destas ações “filantrópicas”, sem perceber este público de consumidores em potencial.

A “cegueira” corporativa na qual estão mergulhadas as empresas brasileiras é reflexo de séculos em que a pessoa com deficiência foi marginalizada, vivendo normalmente fora da sociedade, escondidas por suas famílias, invisíveis ao mundo pelos preconceitos e por falta de conhecimento sobre sua capacidade laboral e cognitiva.

Ainda hoje é bastante comum associar uma pessoa com deficiência a um pedinte, sem dar crédito às suas capacidades, antes discriminando-a pelo que ela “supostamente” não pode fazer, deixando-se levar por uma visão equivocada de que uma pessoa que tenha alguma limitação é imprópria para o trabalho, por isso deve ser assistido em algum programa social.

É possível que um comerciante que veja uma pessoa com cadeira de rodas passando em frente ao seu estabelecimento todos os dias sem nunca entrar, passe a acreditar que ele não se interessa por sua mercadoria sem perceber que na realidade ele não entra por que não há uma rampa de acesso e a calçada é muito alta.

Ninguém imagina que um cego que passa em frente a uma loja de calçados e nunca entra, simplesmente não sabe que ela existe, por isso prefere comprar em um lugar que conhece, com indicação de algum parente ou amigo.

Em qualquer dos casos, o empresário simplesmente acha que este público não se interessa por seu serviço quando na realidade é ele quem não se interessa por este público, já que não o respeita oferecendo-lhe meios para usufruir de seus produtos e serviços.

No Transporte público de Santos, todos os acentos serão de uso preferencial!

Praticamente toda pessoa com deficiência que utiliza o transporte público já ouviu a seguinte frase: “Olha o seu lugar ali, vai lá que vão te dar um lugar”.
Os acentos reservados de uso preferencial são destinados às pessoas idosas, pessoas com crianças de colo, com deficiência ou mulheres grávidas e é um direito adquirido por lei, quando deveria ser um direito proveniente do bom-senso e da boa educação.
Em alguns lugares as pessoas acreditam que não devem ceder o acento quando não estão em um lugar reservado. Deixam que a pessoa idosa vá de pé em um ônibus lotado, ainda que ela esteja usando bengala ou andador.
Em santos, uma lei municipal publicada recentemente, diz que a partir do próximo dia 25 de novembro todos os acentos no transporte público serão reservados para uso preferencial.
É uma tentativa para diminuir o problema, fazendo por força de lei o que deveria ser feito pela força do hábito, corrigindo essa distorção e consequentemente diminuir as situações humilhantes que às pessoas com deficiência são obrigadas a passar todos os dias no transporte público.
Quando a pessoa com deficiência escuta a frase mencionada no início da postagem, fica a impressão de que ela não é um ser humano, por isso é indigna de se sentar próximo aos outros e precisa ficar em um lugar reservado, “preferencialmente” longe das demais pessoas.
Agora vamos esperar que o resto do Brasil siga o exemplo, quem sabe um dia tais leis não serão mais necessárias.

Com Informações do Via trólebus.

5 motivos para você não dizer que sou amigo de alguém

Pode parecer inofensivo e até coisa de gente chata, mas tem gente que deixa as pessoas com deficiência visual bem bravas quando dizem “Olha, tem um amigo seu ali”. Por isso preparamos uma lista com 5 motivos, que podem não ser muito bons, mas são o suficiente para você não bancar o padrinho de amizades em um local público!
1. Você não sabe se essas duas pessoas se conhecem, nem sabe se elas gostam uma da outra. Já pensou se essas pessoas têm alguma desavença e estão só esperando uma oportunidade para acertar as contas?
2. Não dê uma de cupido! Não aproxime duas pessoas só por que “eles ficam tão bonitinhos juntos”, a final eles já podem ter formado um casal e tudo que querem agora é distância um do outro.
3. Seja razoável, tem pessoas muito desagradáveis, das quais você gostaria de ficar distante, tenho certeza de que ninguém gostaria se alguém providenciasse um desagradável bate-papo com alguém extremamente chato ou mesmo bêbado para você.
4. Algumas pessoas aproveitam viagens entre a casa e o trabalho para refletir sobre algum problema ou para ler um bom livro, e não espera ou não quer fazer amigos neste momento, não banque o estraga prazeres frustrando a diversão ou a reflexão dela.
5. Existem pessoas que tem dificuldades para se relacionar e estas apresentações inesperadas podem deixar a pessoa sem jeito ou mesmo causar uma situação bastante desconfortável.
O sentido desta postagem é fazer com que você leitor, que enxerga e não gosta de se colocar em situações potencialmente desagradáveis, não acabe entrando em uma ou colocando, inadvertidamente alguém em uma situação, evitando com isto causar uma briga entre rivais ou ter que presenciar uma discussão entre duas pessoas que se separaram.

Tem um palestrante extra na plateia!

Na maioria dos eventos relacionados às pessoas com deficiência que eu participo, seja como palestrante ou fazendo parte do público, sempre tem um palestrante oculto na plateia!

São microfone-maníacos, quando termina o hino nacional ele já está de pé, com a mão levantada e querendo fazer uma pergunta para o autor da letra!

AS vezes além de microfone-maníaco ele também é revolucionário, já sai lançando crítica: “Por que ouviram do Ipiranga? E se o cara não escuta? Acho que o governo Brasileiro deveria mudar a letra para tornar o hino nacional mais inclusivo”.

Mas o mestre de cerimônias fica com gastrite mesmo é quando chega a hora das perguntas e o famoso atrasa-fala levanta a mão. Esse cara é um verdadeiro palestrante. Cheio de ideias e críticas, ele consome os 5 minutos reservados para as perguntas do público sozinho, depois consome outros 20 da fala do palestrante seguinte.

Tem também a turma que gosta de promover o trabalho da instituição de que faz parte, e pega o microfone só para dizer: “Oi eu sou o Joãozinho, presidente da associação dos Joãozinho de Joanópolis do Sul. Eu gostaria de parabenizar o palestrante, o que ele falou é muito importante, lá em Joanópolis do Sul temos um trabalho muito parecido, patrocinado pela fábrica de camisas João em parceria com a prefeitura municipal de Joanópolis do Sul”.

Tem perguntas muito boas em eventos relacionados às pessoas com deficiência e com certeza absoluta, toda a plateia adora quando alguém faz aquela pergunta que está na ponta da língua de todos, mas pessoas como as descritas a cima tem que tomar um pouco de educação líquida para não atrapalhar os outros. Todo evento tem uma programação, segue horários e nunca se sabe se aquele discurso interminável vai fazer com que o palestrante perca um voo, o que vai causar uma serie de transtornos para ele, além de ser muito desagradável ver alguém palestrando na hora da fala dele.

Para um palestrante é ótimo ouvir perguntas da plateia, quem não gosta de tirar dúvidas, mas se não for uma pergunta ou uma contribuição sobre o assunto debatido e a fala só servir para tomar o tempo do evento, a participação dessa pessoa será improdutiva e sem sentido.