Dia do amigo

São vários os artigos falando sobre a vida das pessoas com deficiência na escola, no trabalho, com a família e com a sociedade, mas são poucas vezes em que se fala na importância dos amigos, tanto os amigos com deficiência, quanto os que não tem deficiência alguma.

Os idealistas podem pregar que a vida de uma pessoa com deficiência pode ser perfeitamente normal, mas essa “normalidade” simplesmente não é verdadeira.

São muitos conflitos internos, perguntas, dificuldades e desilusões, todas somadas às dificuldades da deficiência e potencializadas por um sentimento de solidão e impotência que ultrapassa qualquer sentido de normalidade que você possa imaginar.

Durante esta fase, um amigo de verdade na vida de uma pessoa com deficiência tem um significado muito difícil de se expressar em palavras, pois eles, os amigos, são junto com a família, um apoio confortável, um resquício de normalidade.

Sempre tem aquela coisa que você não quer contar nem para sua mãe, nem para seu pai e muito menos para os seus irmãos, mas que você mal vê a hora de encontrar um amigo para botar o papo em dia.

Aos nossos amigos: Agradeço imensamente por tudo que vocês fizeram e que até hoje fazem por nós, pelos ouvidos emprestados e pelas palavras de apoio. Enfim, por nos aceitar como somos, sem levar em consideração às nossas pequenas grandes diferenças.

Facebook libera descrição automática de imagens no Brasil.

Os usuários Brasileiros dos dispositivos Móveis com sistema operacional IOS da Apple, já podem desfrutar do novo recurso de descrição automática de imagens no Facebook.

O recurso descreve parte do conteúdo de uma foto postada na rede social, dando uma ideia geral de qual sena está sendo apresentada, o que ajuda pessoas com deficiência visual a entender o conteúdo das fotos postadas na rede social.

A nova funcionalidade pode informar ao usuário quantas pessoas há em uma foto, se o ambiente é interno ou externo e se as pessoas estão sorrindo, só para citar alguns exemplos.

Por enquanto a informação sobre as imagens está em inglês, mas quem não tem barreiras de idioma já pode ir aproveitando o novo serviço.

CPTM quer largar pessoas com deficiência na Linha de bloqueios da estação

Assim como no Metrô de São Paulo, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também começa a causar problemas para as pessoas com deficiência em várias Estações da rede ferroviária.

Segundo informações de usuários com deficiência e funcionários da Companhia, a estação Francisco Morato estaria em discussão para proibir os funcionários de acompanhar pessoas com deficiência até às saídas ou até os terminais de ônibus municipais, que são conectados à estação, deixando de atendê-los na linha de bloqueios, ou em termos populares: Largar as pessoas nas catracas da estação.

Os mesmos usuários afirmam que são atendidos no desembarque apenas em uma pequena porcentagem das viagens, sendo que tanto nesta como em outras estações da rede, para chegar à linha de bloqueios, normalmente às pessoas com deficiência precisam pedir ajuda à usuários que estão desembarcando.

Se esta informação for confirmada, os funcionários da CPTM na estação Francisco Morato, virtualmente deixariam de atender às pessoas com deficiência, que ficariam sob responsabilidade dos demais usuários.

Via Twitter, a CPTM apenas declarou que “Alguns usuários pedem para serem deixados na linha de bloqueios”, mas não comentou a informação de que a estação Francisco Morato estaria discutindo encerrar o atendimento dos usuários na linha de bloqueios.

Se a informação for verdadeira, a atitude representa um retrocesso, visto que a estação é improvisada e as adaptações de acessibilidade são ineficientes, em alguns casos, chegam a apresentar riscos para os usuários com alguns tipos de deficiência.

Às pessoas tem diferentes níveis de experiência e nem sempre estão acostumadas a circular pela estação, podendo estar só de visita ou se sentir mais seguros com apoio de um funcionário.

Em qualquer dos casos, é inadmissível que a gestão da estação tenha a prerrogativa de abandonar o usuário na linha de bloqueios.

Os quatro motivos para o Brasil ter portais de conteúdo tão ruins.

As vezes algumas pessoas me perguntam: Por que os sites de conteúdo como Terra, UOL, Yahoo, Globo, Estadão, R7 e Folha são tão ruins de navegar?

A resposta normalmente é muito simples e está baseada em quatro pontos.

O primeiro é que falta vontade. Em geral este tipo de empresa tem uma política “De Dentro para Fora”, ou seja, eles fazem para você usar e pronto.

Repare que você nunca foi consultado sobre os pontos em que você mais gosta nestes serviços e sua única defesa é não o usar, mas fazendo isso você fica sem acesso aos maiores veículos de comunicação, o que lhe faz um lucrativo refém de qualquer política de serviço ou design.

Em segundo lugar, os principais portais de conteúdo estão cada vez mais apinhados de propagandas e publicidade em geral, sem levar em conta que seus atuais usuários são vacinados contra banners e propagandas. Além disso, uma quantidade enorme de pessoas nem olham mais para aquilo, existem até aplicativos para ocultar ou removê-los.

Em terceiro lugar vem o modismo. Os projetistas e desenvolvedores veem uma tendência internacional e já trazem para o brasil. O curioso é que eles só copiam a parte ruim da tecnologia usada por lá.

Por fim: Falhas de projeto são grandes causas de problemas, principalmente os de acessibilidade para pessoas com deficiência.

Isto por que na tentativa de fazer algo igual a algo que está pronto lá fora ou de seguir o que o Designer mandou, o desenvolvedor constrói um Frankenstein de código HTML e faz o diabo com o código, o que causa uma série de problemas de usabilidade e acessibilidade.

A equipe de Design deveria discutir com a equipe de desenvolvimento sobre os problemas que determinado layout poderá causar para os usuários e em caso de portais de interesse coletivo, este layout deveria ser apreciado pelos usuários e suas opiniões deveriam ser consideradas.

Grandes e pequenas empresas de tecnologia lá de fora já têm programas que recolhem e analisam sugestões do usuário no desenvolvimento e melhoria do produto, não dá para entender por qual motivo eles não copiam isso por aqui também.

Enquanto isto não acontece, você poderia escrever aí nos comentários quais sites você odeia navegar (além do nosso), quem sabe os webmasters se ligam e melhoram eles, não acha?

Metrô está contratando aprendizes

Depois de usuários com deficiência visual iniciarem uma petição contra a diminuição do quadro de funcionários do programa Jovem Cidadão do metrô de São Paulo, a companhia abriu um concurso público, que oferece 215 vagas para jovem aprendiz.

As vagas são para estudantes do ensino médio que tenham idade entre 16 e 21 anos até dia 31 de dezembro de 2016, e prevê uma jornada de trabalho de quatro horas por dia.

As inscrições estão abertas e podem ser realizadas via internet até o dia 9 de maio de 2016 pelo endereço http://www.concursosfcc.com.br.

Os aprovados participarão de programas de capacitação durante a vigência do contrato e deverão atuar inclusive em áreas onde trabalham atualmente os funcionários contratados pelo programa jovem cidadão.

A petição, que continua no ar já conta com mais de 470 assinaturas e inclui usuários, profissionais da ária de orientação e mobilidade, além de familiares de pessoas com deficiência visual.

Petição popular pede aumento no programa jovem cidadão do metrô de São Paulo

Depois de um boato falando sobre uma possível quebra de contrato com o Programa Jovem Cidadão no Metrô de São Paulo, pessoas com deficiência visual, que seriam diretamente impactadas com o suposto cancelamento, já se organizam em uma petição endereçada à companhia, não para extinguir o programa, mas para aumentar o efetivo disponível nas estações.

O movimento foi iniciado no início desta semana e até esta sexta-feira, quando concluímos essa postagem, já havia 221 signatários na petição.

A polémica teve início em fevereiro, quando usuários do sistema denunciaram através das redes sociais que o metrô estaria descontinuando o programa, que atende cerca de 2000 pessoas com deficiência visual diariamente.

A informação teria partido dos próprios funcionários do programa, que já estariam com contratos para vencer, alegando que não havia perspectiva de renovação.

O metrô fez uma reunião com usuários no auditório da Laramara, que contou com a presença de aproximadamente 100 usuários com deficiência visual e negou a extinção do programa, mas deixou claro que poderia haver uma diminuição do quadro em virtude de problemas financeiros.

Vários usuários presentes responderam dizendo que o programa é uma questão de segurança para às pessoas com deficiência visual e rebateram dizendo que com segurança não se economiza.

Via Twitter o Metrô se manifestou reafirmando que o programa não seria descontinuado, mas não comentou a respeito da diminuição do efetivo.

Enquanto isso, a Petição segue disponível para quem quiser assinar e divulgar.

Facebook testa descrição de imagens para leitor de tela

Durante estas últimas duas semanas estamos acompanhando uma profusão de novidades tecnológicas vindas de algumas empresas de tecnologia norte-americanas, que estão prometendo beneficiar e muito às pessoas com deficiência visual.

Segundo uma matéria divulgada esta terça-feira no site do Olhar Digital, Usuários com deficiência visual do Facebook em inglês já estão testando uma tecnologia baseada em inteligência artificial, que descreve aproximadamente o conteúdo das imagens publicadas na rede social.

Com aproximadamente 300 milhões de pessoas cegas ou com dificuldades para enxergar utilizando a rede diariamente, a iniciativa demonstra respeito pelas pessoas com deficiência visual e oferecem um pouco mais de autonomia para este público, que passa a poder “ver” as fotos como informação útil.

Segundo o Olhar digital, a tecnologia é chamada de “automática alternativa texto”, e reconhece pontos específicos nas fotos, gerando uma descrição aproximada do conteúdo da imagem, que pode ser falada posteriormente através de um software leitor de tela, que normalmente é usado por pessoas com deficiência visual para acessar, entre outras coisas, o feed de notícias.

Até então, quando a pessoa com deficiência rolava o feed e encontrava uma foto, o usuário só ouvia o nome da pessoa que fez o post seguido pela palavra “foto”. Agora há uma descrição mais rica e é possível ouvir coisas como “a imagem pode conter três pessoas, sorrindo, em ambiente externo”.

Num primeiro momento, apenas quem usa o Facebook no iOS em inglês terá acesso à novidade, mas a empresa promete expansões para outros idiomas.

Metrô de São Paulo ouviu sugestões de pessoas com deficiência visual na Laramara.

Funcionários do setor de ações de relacionamento inclusivas do metrô de são Paulo, se reuniram esta semana com usuários do sistema no auditório da Laramara.

A principal proposta do evento, foi de esclarecer os boatos de que o metrô estaria preparando uma extinção do serviço de jovens-cidadãos nas estações da companhia.

Para quem não conhece ou não mora em São Paulo, eles são jovens em idade escolar que prestam serviços em todas as estações do metrô, executando diversas atividades, entre elas, a condução, embarque e desembarque de pessoas com deficiência no metrô de São Paulo.

A reunião, que começou por volta de 10 da manhã da última quinta-feira, foi aberta ao público e contou com a presença de aproximadamente 90 pessoas com deficiência visual, entre usuários da Laramara, ADEVA e de várias pessoas que souberam do evento através das redes sociais.

Em fala na abertura do evento, o professor de orientação e mobilidade João de Moraes Felipe, destacou a importância da reclamação como exercício de cidadania, e lembrou que as pessoas com deficiência visual devem se manifestar com os serviços de atendimento das empresas para que suas dificuldades sejam conhecidas e seus direitos respeitados.

Os funcionários do metrô responderam várias dúvidas dos usuários e se comprometeram a voltar em aproximadamente um mês para continuar ouvindo as sugestões e as demandas.

O Blog Inclunet vai continuar postando informações sobre esta reunião durante as próximas semanas, assim como o que for melhorado ou resolvido em decorrência dela.

Se você tem algum problema, dificuldade ou dúvida, use o canal de comunicação disponibilizado pelo metrô para registrar ela. O telefone da central de atendimento do metrô é: 0800-770-7722 e funciona diariamente das 5h 30m às 23h 30m.

Para denúncias use o SMS: (11) 97333-2252

Fundação Vunesp Dificulta a Vida das Pessoas com Deficiência Visual

A Fundação para o Vestibular da UNESP (VUNESP), que atualmente é uma das maiores promotoras de concursos públicos do Brasil, simplesmente está ignorando o direito de acesso a informações em seu site, dificultando ou impedindo o manuseio adequado deste por pessoas com deficiência visual.

A instituição, que já tem mais de 36 anos de atuação, foi fundada em 26 de Outubro de 1979 pelo conselho universitário da Universidade do estado de são Paulo (UNESP) e seus principais objetivos, segundo às poucas informações disponíveis em seu site, são planejar, organizar, executar e supervisionar o concurso Vestibular da Unesp; realizar vestibulares e concursos diversos para outras instituições públicas ou privadas; coletar, organizar, analisar e encaminhar ao Conselho Universitário da Unesp informações técnicas e dados estatísticos relativos ao seu vestibular; promover atividades de pesquisa e extensão de serviços à comunidade, na área educacional; desenvolver outras atividades compatíveis com suas finalidades.

Quando uma organização se propõe a gerir concursos públicos, vestibulares, e outros tipos de concorrências, ela deve prover meios para que seu público consiga acessar às informações relacionadas a ele, não importando se esta pessoa tem alguma restrição de mobilidade, ou sensorial, de forma que ela consiga preencher e alterar seus dados, consultar às informações relacionadas à sua inscrição e consiga inclusive entrar com recursos caso julgue necessário.

O blog Inclunet, tentou vários contatos com a fundação, sem obter resposta até o fechamento desta postagem.

E esse tal Leitor de BIOS?

É possível que exista um dispositivo USB capaz de ler a BIOS do computador?

Esta Pergunta está me assombrando à várias semanas, depois que essa postagem apareceu no facebook e começou a ser distribuída em listas de discussões de todos os gêneros ligados às pessoas com deficiência visual.

Em primeiro lugar é importante saber o que é BIOS?

Resumindo em poucas palavras: É um pequeno programa responsável por ligar o computador, sem ele você não poderia ler esta postagem, por que seu computador não estaria ligado.

O que seria um leitor de BIOS e por quê ele é tão interessante, a ponto de tantas pessoas com deficiência visual tentarem comprar um?

Na teoria, o dispositivo seria capaz de ler as configurações iniciais da BIOS, coisa que os softwares leitores de tela não podem fazer, uma vez que eles são instalados no sistema operacional e só conseguem transformar em voz aquilo que se encontra dentro do sistema operacional do computador.

Se um dispositivo deste tipo fosse possível, assumindo que de alguma forma mágica ele consiga ler este pequeno sistema de inicialização do computador, é possível que ele pudesse ler informações de uma TV, o que faria com que ele fosse um santo graal para todos os cegos do Brasil.

Um técnico de informática cego poderia alterar a ordem em que os discos são inicializados e formatar computadores sem auxílio de outra pessoa.

Seriam várias possibilidades e consequentemente, várias pessoas já pagaram por este dispositivo, que na nossa modesta opinião simplesmente não existe!

Um site relacionado a comunidade de pessoas com deficiência visual, publicou essa semana uma nota de repúdio ao autor desta suposta fraude, enquanto nós aqui do blog tentamos entrar em contato com ele, que apenas responde enviando um áudio com a demonstração do suposto dispositivo, informando também a conta para depósito da quantia cobrada por ele, R$ 50,00.

Foram divulgados dois áudios, em que o suposto desenvolvedor afirma categoricamente que não tem culpa do atraso, dizendo que a culpa é dos correios e que eles vão reenviar as encomendas gratuitamente, assim que forem devolvidas para ele. “Não tenho como passar o dia no correio”, diz ele.

No segundo áudio, ele afirma que vai devolver o valor das pessoas que solicitarem por e-mail, mas diz que não tem como lembrar de todas as centenas de pessoas que pediram o aparelho, lembrando também que o projeto de 3 anos vai morrer por que as pessoas o estão chamando de estelionatário.

O blog Inclunet vai continuar acompanhando este caso polêmico, que mais parece uma tentativa de estelionato coletivo de pessoas cegas.